14/03/2016 às 02h21min - Atualizada em 14/03/2016 às 02h21min

“Quem rouba um tostão, rouba um milhão”

Há um ano, no dia 09 de março, O Ministério Público Federal lançava uma campa-nha contra a corrupção. A data, portanto, marca o combate a essa prática. E nunca o brasileiro ouviu falar tanto nessa palavra, que, resumidamente, significa levar vantagem através de um ato errado, fraudulento, sempre prejudicando alguém.
Basta ligar a TV, ler os jornais, ouvir o rádio, acessar a internet, para tomar ciência de um novo caso de desvio de dinheiro público, de presentinhos, de troca de favores. Quase sempre ligado à classe política. 
No entanto, diariamente, muitas pessoas que se dizem contra a corrupção, também cometem algum tipo de fraude, claro em menor escala, o que não deixa de ser corrupção. Não raramente, vimos pessoas usando carteirinha de estudante falsa, para ter vantagem ao pagar a entrada de eventos. E o que dizer de quem oferece um “cafezinho” a um fiscal ou policial para livrar-se da multa? Outro exemplo, tão comum hoje em dia, são os chamados “gatos”, que é quando há a apropriação indevida de TV à cabo, energia elétrica, internet, sem pagar pelos serviços. Outros furam filas, estacionam em vagas destinadas aos idosos, deficientes. Ou seja, a corrupção está presente no dia a dia do brasileiro. E o combate tem de começar dentro de casa. Pais dando exemplo aos filhos e punindo quando um enganar o outro. 
Dia 13 de março, o “Movimento Vem pra Rua”, programou uma manifestação e pretende reunir milhares de brasileiros. Que cada um que for à rua, vá com a consciência tranquila, na certeza de que sua conduta é ilibada, não se corrompendo no dia a dia, com a desculpa de que isso não prejudica ninguém e de que é diferente das que vemos no noticiário. Não é!
O ditado “A ocasião faz o ladrão” é mentiroso. Quem não é ladrão, não rouba um milhão e nem um tostão, mesmo que tal valor esteja ao seu alcance. 

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »