27/09/2017 às 10h28min - Atualizada em 27/09/2017 às 10h28min

Ex-prefeito, Magrão, tem contas rejeitadas pela Câmara

Ex-prefeito Anderson Pereira, o Magrão (Foto: Arquivo)


Seguindo o parecer do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, (TCE-SP), os vereadores da Câmara de Pinhalzinho, rejeitaram as contas do ex-prefeito Anderson Pereira, o Magrão, (PSB). A votação aconteceu em sessão extraordinária na noite do dia 13 de setembro, e a rejeição foi unânime, 9 a 0. Antes de ser votado, o parecer do TCE passou por duas comissões da Câmara e foi aberto prazo para que o ex-prefeito apresentasse sua defesa, mas ele não fez. 

O parecer do TCE foi pela rejeição das contas, já que o órgão apontou que o ex-prefeito deveria ter pago precatórios de 2014 (dívidas da prefeitura) à vista. No entanto, Magrão parcelou. Ainda segundo o TCE, os juros gerados com o parcelamento ultrapassaram o limite previsto na Constituição Federal.

Na época, o ex-prefeito se defendeu junto ao TCE, mas o posicionamento do órgão se manteve. 

O parecer do TCE pela rejeição das contas de Magrão também cita irregularidades em contratos de compra de combustível para a frota (R$ 54.832,77), de carnes para a merenda (R$ 37.550,00), sem licitação. Cita ainda a aquisição de prestação de serviços de empresa de saúde (R$ 1.050.000,00), e o pagamento em excesso a agentes públicos (secretários municipais).

O que diz Magrão

Sobre a rejeição das contas, o Jornal de Bragança e Região ouviu o ex-prefeito Magrão. Ele disse que quando assumiu a prefeitura, encontrou uma dívida com a Sabesp, deixada por seu antecessor, no valor de pouco mais de R$ 524 mil, referentes a contas de água dos prédios públicos municipais, que não foram pagas durante oito anos.  Outro precatório era no valor de pouco mais de R$ 133 mil e que o pagamento de ambos foram parcelados.

Segundo Magrão, a orientação do seu departamento contábil era pelo parcelamento da dívida. “Se a gente pagasse o valor inteiro, não teríamos dinheiro para a folha de pagamento. Então fomos falar com o presidente do TCE e conseguimos parcelar em 99 vezes. Posteriormente, quando finalizou o ano, eu tinha dinheiro em caixa, mas não dava para prever isso na época de pagar os precatórios. A conselheira entendeu que eu tinha de pagar a vista. Essa foi a discussão jurídica”.

Magrão disse que não apresentou defesa na Câmara porque, na sua opinião, a votação já estava definida. “Vou acionar o Tribunal de Justiça para tentar reverter” disse. 

O que diz Dito Danela

O Jornal de Bragança e Região também ouviu o antecessor de Magrão, Benedito de Lima, o Dito Danela, que contradiz Magrão. “As contas de água do meu mandato foram todas pagas. Não ficou nenhuma conta sem pagar. O que ficou pra trás foram dívidas dele.Quando eu saí em 2000, eu deixei tudo certinho. Ele entrou, não pagou, foi cassado e o vice também não pagou”, disse Dito Danela, ao afirmar que quando reassumiu o cargo (2005 a 2012), herdou a dívida de Magrão de 2001 a 2004, que estava na justiça. “Quando saí da prefeitura, a justiça ainda não tinha decretado a decisão”, disse ao completar. “Minhas contas foram aprovadas, se eu não tivesse pagado eu teria as contas rejeitadas. Dos oitos anos que fui prefeito, as contas foram todas aprovadas”, finalizou.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »