30/05/2018 às 13h06min - Atualizada em 30/05/2018 às 13h06min

Falta de combustível e bloqueios afetam agropecuária de Bragança



Bragança Paulista, sede da região bragantina, tem um papel importante na agropecuária, que inclui a criação de suínos e aves, setor que em várias regiões do Brasil, teve perdas consideráveis. Na segunda-feira (28), a Associação Brasileira de Proteína Animal alertou para risco de morte por falta de ração e prejuízo de R$ 3 bilhões se a paralisação de caminhoneiros prosseguisse. Até segunda-feira (28), havia morrido 64 milhões de aves em razão de fome ou canibalismo.

Em Bragança Paulista, o setor também sentiu. Geraldo Salaroli, suinocultor com mais de 30 anos no ramo, contou ao Jornal de Bragança e Região, que na terça-feira (29), o seu estoque de ração chegou ao limite. “Só tenho ração para mais um dia”, disse ao explicar que o alimento dos porcos é composto por cerca de oito itens, mas que devido a não entrega de insumos, ele estava usando apenas três ou quatro. “Isso cai o desempenho do animal, como engorda e crescimento”, disse ao desabafar. “Com 33 anos de suinocultura eu nunca passei por uma situação como essa”.

Alcinei Mazochi é criador de aves, ramo que atua há 15 anos. Segundo ele, para evitar o canibalismo em sua granja, foi necessário diminuir a quantidade de ração ao dia e, assim, garantir comida por mais tempo. “Se ficarem com fome, uma ave vai bicando a outra, é o canibalismo. Então de 150 gramas por dia, estamos dando apenas 50 gramas de ração”, disse ao confirmar o prejuízo na engorda e crescimento das aves e, consequentemente, na economia.

O presidente do Sindicato Rural de Bragança, Sérgio Perrone, disse ao Jornal de Bragança e Região, na terça-feira (29), que ainda não tem dados confiáveis sobre perdas no setor agropecuário na região. “Sabemos que os produtores rurais, em geral, estão passando por dificuldades para escoar a produção e abastecer a população”, disse ao citar outros setores. “Temos outros setores afetados, como leite, flores, frutas e hortaliças, que são produtos altamente perecíveis”. 

O chefe da Casa do Agricultor, Marcelo Baptista, disse que os produtores de hortaliças estão com dificuldades de entrega, por falta de combustível nos veículos e que produtores de leite estão há seis dias sem retirada de produtos. “Ou os produtores perdem o produto ou aproveitam fazendo queijo, ou soltando os bezerros com as vacas”, disse ao contar ainda que o Entreposto, conhecido como Ceasinha, que funciona na zona norte de Bragança, está com apenas 30% do fluxo normal de produtores. Já os produtores de frango, têm estoque para cerca de um ou dois dias, mas já com notícia de aumento na mortalidade das aves e canibalismo.  “Os produtores estão jogando o lucro fora, já são cerca de 25% de perda de faturamento em uma semana. E deve haver reajuste nos preço final, ou seja, a conta vai sobrar para o consumidor”, finalizou. 

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »