13/12/2017 às 10h45min - Atualizada em 13/12/2017 às 10h45min

Edmir Chedid (DEM) é citado em investigação na área da Saúde

Nome do deputado é citado em trecho de grampo “quem manda nisso aí é o Edmir Chedid”

Foto: Alesp


Em reportagem do jornal Estadão sobre investigação na área da Saúde, o nome do deputado estadual Edmir Chedid (DEM), é citado em um grampo da Operação Ouro Verde, como um dos que cobrariam “pedágio”, sobre contratos da área de Saúde.

De acordo com o Estadão, a operação do GAECO - Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, foi deflagrada em 30 de novembro, e revelou um grampo onde um rapaz chamado Fernando Vítor, explica como funciona o esquema. Segundo Fernando Vítor, é preciso saber quem é o político “dono da região” e pagar “pedágio”, para o político e para quem fez o contato com este.

Segundo a reportagem, em um dos grampos, Fernando Vítor afirma que o “dono” da cidade de Amparo é o deputado Estadual Edmir Chedid.

“Aí: ah, o dono de Amparo é o Edmir Chedid, aí elá vai falar com o Edmir Chedid. aí você vai ter que pagar o pedágio dele e o dela, cê entendeu? Só pra você saber…”

Segundo o relatório da Gaeco enviado à Justiça, Vitor ainda pergunta ao interlocutor sobre qual licitação ele quer vencer e tem como resposta que é a do “Laboratório AME”. Ele então alerta: “quem manda nisso aí é o Edmir Chedid”.

O Gaeco ainda aponta que, no diálogo, Fernando Vítor compromete-se a falar com o deputado estadual Edmir Chedid sobre a pretensão do interlocutor, que está interessado em licitação no Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Amparo.

Ainda de acordo com o jornal, os promotores Daniel Zulian, Jandir Moura Torres Neto e José Claudio Tadeu Báglio, apontam em relatório que Fernando Vítor é, na verdade, apontado como um dos lobistas para a obtenção do contrato da Vitale no Hospital Ouro Verde de Campinas.

Na casa dele em Campinas, a Operação encontrou o valor de R$ 1,2 milhão, que ele disse ser oriundo da venda de uma fazenda de seu tio.

Segundo o Estadão, a investigação aponta que um grupo por trás da organização social Vitale, que administra o Hospital Ouro Verde, usa a entidade, que não deveria ter fins lucrativos, para obter indevida vantagem patrimonial.

Outro Lado

Esclarecimento a Bragança Paulista

EDMIR CHEDID LAMENTA CITAÇÕES DE SUPOSTO LOBISTA INVESTIGADO PELO MP/SP

SÃO PAULO – O deputado Edmir Chedid (DEM) declarou que não possui nenhum envolvimento com supostos esquemas irregulares para a obtenção de contratos na saúde pública. Também lamentou ter sido citado injustamente por lobistas e empresários numa conversa telefônica autorizada pelo Ministério Público (MP/SP), que apura denúncias sobre o crime organizado em Campinas.

Nesta gravação, um suposto lobista afirma que o parlamentar é o “dono da região” – em referência a Amparo/SP – e que qualquer atividade na saúde pública deveria receber sua autorização. “Fui citado injustamente numa conversa telefônica, apenas citado. E isso não significa que esteja sendo investigado pelo Ministério Público de São Paulo”, comentou.

Edmir Chedid afirma ter ficado surpreso com a repercussão do fato, visto que seu nome aparece juntamente com o de outros políticos, de prefeito a deputado federal. “Há outros nomes na gravação autorizada pelo MP, mas fui o único que recebeu destaque na mídia. Não há qualquer declaração que sirva para apontar ou comprovar meu envolvimento com atos ilícitos”, disse.

O parlamentar explicou ainda que, a proximidade com o período eleitoral do próximo ano faz ressurgir uma série de ataques à sua reputação. “Esta é uma situação que sempre se repete quando estamos próximos às votações mais importantes da Assembleia Legislativa ou quando tentamos a reeleição do mandato. Infelizmente, o desespero evidenciado por adversários tornou-se hábito contra os que possuem mandato e ações comprovadas”, comentou Edmir Chedid.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »