08/11/2017 às 19h47min - Atualizada em 08/11/2017 às 19h47min

A primeira mulher a comandar o 34° Batalhão da PM

Ten. Cel. Soraya comanda efetivo de quase 600 policiais (Foto: JBR)


O Jornal de Bragança e Região entrevistou com exclusividade, a Tenente Coronel Soraya Corrêa Alvarez, a primeira mulher a ocupar o comando do 34º Batalhão da Polícia Militar do Interior (BPMI), que abrange 16 municípios. Isso significa que, desde setembro, estão sob a responsabilidade dela, aproximadamente, seiscentos soldados e a segurança de quase meio milhão de habitantes. 

Natural de São Paulo, ela mora na região bragantina há cinco anos. É casada com um Major da PM, hoje aposentado, com quem tem dois filhos, de 8 e 11 anos. E assim como a maioria das mulheres, concilia o tempo entre a profissão e as funções de mãe. 
Em janeiro de 2018 a Tenente Coronel irá completar 28 anos de carreira, há três ela foi a este posto. 

Nos quase trinta anos de Polícia Militar, que começou na Academia do Barro Branco, ela ocupou vários cargos de comando. Em resumo, atuou na área operacional da PM, diretamente no comando de tropa, foi comandante de Patrulha, Força Tática e comandante de Companhia.

Além da formação no Barro Branco, ela também é graduada em Educação Física, Psicologia e atuou na própria Academia, como professora. Atuou ainda no setor administrativo, além de chefiar o departamento de psicologia da PM. Exerceu funções no Centro de Operações da PM e no setor operacional, de planejamento estratégico de dois grandes comandos de policiamento, da Capital e Metropolitano. 

Antes de assumir o 34º BPMI, e já como Tenente Coronel, ela chefiou o Centro de Reabilitação da PM. Esta é a primeira vez que ela trabalha no interior do estado.

Tenente Coronel Soraya Corrêa Alvarez, nos recebeu em seu gabinete no Batalhão, onde com um sorriso no rosto, entrou cumprimentando a todos com um aperto de mão. A maquiagem discreta e a voz delicada, salientam os traços femininos da mulher que chegou ao mais alto posto do 34º Batalhão. 

JBR – Por que a senhora escolheu a carreira militar?

Ten. Cel. Soraya: Eu buscava uma carreira eclética, queria fazer alguma coisa que tivesse muitas mudanças. Sempre gostei de sair da zona de conforto, de buscar coisas novas. Essa é uma característica muito presente na minha personalidade.

JBR – Como aconteceu a sua vinda para Bragança?

Ten. Cel. Soraya: Eu recebi um convite do Coronel Érico, de Campinas, que comanda oito Batalhões, entre eles o 34º, e aceitei com bom grado e com frio na barriga, porque foi um desafio grande voltar para a área operacional. Ao mesmo tempo, é muito gostoso poder colocar em prática todo conhecimento adquirido. 

JBR – Por que a senhora já está fazendo mudanças no BPMI?

Ten. Cel. Soraya: Quando a gente chega a um local, tem de entender a dinâmica do espaço, o funcionamento interno e o da polícia com a sociedade, saber onde implementar melhorias. E quando a gente fica muito tempo ocupando a mesma função, o olhar cristaliza. Isso impede que a gente e a instituição evoluam. Eu acredito que a gente deva permitir que as pessoas experimentem novas funções.

JBR – O que já mudou?

Ten. Cel. Soraya: O comando foi baseado em cinco pilares: Estratégia, Inteligência, que trabalham juntos; Treinamento, que já começou; Parcerias com instituições públicas e a Colocação do nosso Batalhão como referência dentro da Polícia Militar. Então, assim que cheguei, apliquei uma pesquisa que abrangeu a todos. Com isso, a gente trouxe muita informação boa. Também já pedi para os Capitães intensificarem o “Vizinhança Solidária”, que é estreitar uma rede de apoio entre os moradores da mesma rua e mesmo bairro. Semanalmente me reúno com os oficias e as coisas ficam mais ágeis. 

JBR - O que dizer a população tão preocupada com a segurança?

Ten. Cel. Soraya: Que ela use mais a Polícia Militar e nos ajude participando dos Conselhos de Segurança e passando informações através do disque 181. O sigilo é mesmo mantido. Muitas vezes, uma informação fecha aquilo que não estávamos conseguindo fechar. A população tem de se ver como parceira da polícia, podendo contar com a Polícia Militar e que ela seja participativa e engajada no processo de segurança.

Ao final, a Tenente Coronel destacou que a maioria dos crimes, cerca de 80%, está centralizado nas cidades de Atibaia e Bragança, onde vem sendo realizadas operações com a ROCAM e Força Tática. Ao mesmo tempo, cidades de porte menor também estão recebendo micro-operações. Outra ação que vem sendo tratada, diz respeito ao eixo Fernão Dias - Dom Pedro. A Tenente Coronel tem ainda visitado, nesse primeiro momento, os prefeitos e presidente de Câmaras das cidades que compõe o 34º BPMI. No segundo momento, ela visitará o Judiciário. O objetivo é a união de forças.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »